Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

O roludo do rôle




O roludo do rôle chega chegando.
"Não sou machista, mas...", ele diz, ele grita, ele berra, ele urra, ele late, ele pia, ele pira e gira... mas é. 
E como o é. 
Com o roludo do rôle "Nem todo homem...", mas ele bem ignora ou finge não saber que todo homem, cisgênero, se beneficia de uma estrutura social que legitima hierarquias entre homens e mulheres. Mas esse tipo de generalização não conta.
Também não conta as vezes por dia em que mulheres são assassinadas por homens, sobretudo, cis, por causa do machismo.
E quando não são ("só") assassinadas, são estupradas.
Mas "Nem todo homem...", afinal o roludo do rôle nunca matou nem estuprou uma mulher.
Ele só agrediu (agride?) fisicamente, emocionalmente e psicologicamente algumas mulheres de seu convívio.
Ele só as silenciou, as censurou, as reprimiu, as explorou, as subestimou, as ridicularizou.
Ele só trata sua mãe como sua empregada doméstica, porém sem salário/remuneração pelo serviço dignamente prestado.
Ele só passou a mão na cabecinha do amiguinho que estuprou a própria namorada, afinal ele via aquilo como "sexo sem consentimento".
Ele só ignorou o tio que assediava sua prima.
Ele só ignorou os nãos de várias mulheres.
Ele só acha que assédio é elogio.
Ele só acha que existe lugar de mulher.
Ele só acha que mulher é mais delicada, frágil. 
Ele só acha que mulher é sinônimo de buceta.
Ele só adora ver vídeos de vingança-porno que os caras postam depois de fins de relacionamentos, para humilhar suas ex-companheiras.
Ele só chama de puta a mulher que fez tais vídeos. O cara, ah o cara... é homem, pode.
Ele só se recusa a pagar a uma mulher o mesmo salário que paga a um homem em sua empresa, pelo mesmo serviço.
Ele só prefere contratar homens/cis a mulheres/cis, pois elas podem engravidar e ele terá que assegurar a estas mulheres seus direitos. Mulher engravida do dedo, segundo a lógica do roludo do rôle.
Ele só não abre mão de consumir materiais misóginos. Deixar de ver pornografia? Jamais, afinal hiperssexualização e objetificação da mulher mais apologia ao estupro não são problemas se isso entretêm-no.
Já foi dito que ele nunca estuprou?
NUNQUINHA. Até parece!
Mas culpabiliza vítimas de estupro. O que aquela vadia estava fazendo naquele lugar? Aquela hora? Com aquele(s) cara(s)? Quem mandou usar aquela roupa curta? Quem mandou sair de casa? Foi estuprada em casa? Alguma coisa deve ter feito, se insinuou? O roludo do rôle tem cérebro, mas é de enfeito.
Tem também o amigo pirocudo do roludo do rôle. Pirocudo é machista assumido, vive fazendo piadas machistas. Roludo do rôle é contra piadas machistas na internet, mas no bar com os amigos, releva tais piadas, pois leva tudo como divertimento. 
Divertimento que ajuda a matar mulheres todos os dias.
Divertimento que ajuda a estuprar mulheres todos os dias.
Divertimento que ajuda a agredir mulheres todos os dias.
Divertimento que ajuda a humilhar mulheres todos os dias.
Divertimento que ajuda a inferiorizar mulheres todos os dias.
Divertimento que ajuda a subordinar mulheres todos os dias.
Com o roludo do rôle não há machismo.
Mas há.



Lizandra Souza.





Imagem exclusiva do Roludo do rôle.

0 comentários:

Postar um comentário

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!