Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Sobre hipergenitalização de pessoas e banalização de sexualidades e identidades de gênero

"Sou lésbica porque gosto de buceta"
"Sou gay porque gosto de pinto"
"Sou bi porque gosto de buceta e pinto" 
"Sou assexual porque não gosto, em geral, de buceta nem de pinto" 
"Sou hétero porque..."





Esses discursos são fruto de uma sociedade hipergenitalizadora (que concebe as pessoas, suas identidades, a partir de seus genitais) e cisnormativa (que normatiza e universaliza a vivência de quem é cisgênero, ou seja, de quem se identifica com o gênero que lhe foi designado ao nascer). 

São discursos hipergenitalizadores, cisnormativos e transfóbicos, pois desconsideram, apagam, deslegitimam, a orientação sexual das pessoas trans (isto é, das pessoas que não se identificam com o gênero que lhes foi designado ao nascerem, pois pertencem a outro). 

Não há nada de revolucionário em associar orientação sexual a atração automática/necessária/inerente a determinado genital.

Explico.


A orientação sexual de uma pessoa está relacionada a atração sexual que ela vai ter (ou não vai ter) com pessoa(s) de determinado gênero. 

Ter uma orientação sexual não é "privilégio" de pessoas cisgêneros, isto é, de pessoas que se identificam com o gênero que lhes foi designado ao nascerem ou que tem a identidade de gênero de acordo com o gênero lhes atribuído no nascimento.

Pessoas transgêneros, isto é, pessoas que não se identificam com o gênero que lhes foi atribuído ao nascer, pois seu verdadeiro gênero é outro, também têm orientações sexuais e têm direito a expressá-las. 

Existem mulheres/cis e homens/cis héteros.
Existem mulheres/cis lésbicas e homens/cis gays.
Existem mulheres/cis e homens/cis bissexuais.
Existem mulheres/cis e homens/cis pansexuais.
Existem mulheres/cis e homens/cis assexuais/demisexuais...

Do mesmo modo:

Existem mulheres/trans e homens/trans héteros.
Existem mulheres/trans lésbicas e homens/trans gays.
Existem mulheres/trans e homens/trans bissexuais.
Existem mulheres/trans e homens/trans pansexuais.
Existem mulheres/trans e homens/trans assexuais/demisexuais... 

E pessoas não-binárias (que não têm gênero binário: só homem x só mulher) héteros, lésbicas, gays, bissexuais, pansexuais, ace/demisexuais... também existem. 

Pessoas não são genitais. 
Orientação sexual não é o mesmo que atração por genitália.

Orientação sexual diz respeito a qual(is) PESSOA(s) de determinado GÊNERO você sente (ou não) atração sexual. Atração genital diz respeito não ao gênero da pessoa, muito menos a sua orientação sexual, mas a atração sexual que alguém pode ter mais por um genital que por outro.

Por exemplo, existem mulheres lésbicas que independente de serem cis ou trans, se relacionam com outras mulheres independente de estas serem cis ou trans. E existem também mulheres/cis lésbicas que só se relacionam com mulheres/cis lésbicas, pois não sentem atração por mulheres/trans.

Ambos os casos devem ser respeitados. O que não deve ser ''respeitado'' é a ideia de quer ser lésbica corresponde NECESSARIAMENTE a gostar de buceta, sendo que nem toda mulher tem uma. Aliás, homens/trans tem buceta, e são HOMENS. Logo, associar orientação sexual a atração genital é erro feio, erro rude.

PS: Ninguém está militando para fazer você sentir atração por determinado gênero ou por determinado genital. O que é preciso visibilizar é o fato de que: gênero não é genital e atração sexual não é o mesmo que atração genital. Goste de buceta, goste de pinto, assuma isso, mas NÃO determine a vivência, identidade alheia a partir deles.

2 comentários:

  1. Que incrível isso! Eu nunca tinha entendido direito e nem parado pra pensar. Seu blog é muito bom, de verdade!

    ResponderExcluir

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!