Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Nova velha ordem



Alguns temem a morte. Não ter vivido plenamente. Não ter feito as melhores escolhas. Não ter escolhido. Não ter feito o que se queria fazer. Não realizar sonhos. Não ter sonhado o bastante. Ter sonhado demais e não vivido o suficiente, o planejado... Planos? São tantos. As vezes, tontos. Depende mesmo do ponto de vista de quem vê. Alguns não veem um palmo a frente do nariz. Problema? Quem irá dizer! Solidão, tem quem a tema. Ainda mais quando há a confusão entre solidão e estar sozinho. Tem também quem tema o desamor. Nunca amar e ser amado. Não ter vivido aquela história romantizada nos contos. No final de novela. Tem os que temem as mudanças climáticas, as instabilidades econômicas e políticas, o programa nuclear do Irã e possíveis ciberataques do país. Tem também quem sofra de temores "bobos", entre eles o de voar de avião, o de está em lugares altos, o do escuro, das baratas... Tem quem tema a fome. Tem quem tema comer demais. Tem gente que teme gente. Da gente? Só se for pra mudar! Mudança, muitos a temem. Mudar é esperar um novo porvir. Nem todos estão adaptados ao novo futuro imediato. Tem quem tema a partida. E também quem tema a chegada. A ida, a vinda, a volta. A vida. 

Teve o tempo em que temi tudo isso, mas hoje eu temo o Temer.

Lizandra Souza.

0 comentários:

Postar um comentário

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!