Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Hierarquia de opressão?


Não acredito em hierarquia de opressão, isto é, que há uma opressão pior que a outra, do contrário eu teria que acreditar que a opressão x deve ser mais combatida que a y, o que é incoerente levando em conta o diálogo entre as mais formas de dominação-exploração existentes. 

Acredito que as opressões podem e atingem os sujeitos de forma a oprimir mais uns que a outros, mas isso quando elas estão inter-relacionadas diretamente no modo como os sujeitos são lidos socialmente e integram suas vivências a sociedade. Em outras palavras, racismo não é pior que machismo, o que é pior é você sofrer não só racismo, mas machismo também. E pior ainda se você for lésbica, pois sofrerá lesbofobia. E se for gorda, gordofobia. E pobre? Elitismo! E se tiver deficiência? Capacitismo! Se for nordestina? Xenofobia. E se... 

O recorte é necessário para se reconhecer privilégios em relação aos outros. Reconhecer privilégios é uma forma de empatia. Ser privilegiado em uma determinada opressão não quer dizer que você não sofra com outras e que outras pessoas não tenham privilégios em relação a você. 

Machismo, misoginia, homofobia, lesbofobia, bifobia, acefobia, panfobia, transfobia, racismo, capacitismo, elitismo, gordofobia... são opressões e em geral nunca atingem isoladamente os seres humanos, sabem por quê? Porque somos seres plurais. E é reconhecendo essa pluralidade que a gente melhor analisa e subverte o que nos afeta negativamente.


Lizandra Souza.

0 comentários:

Postar um comentário

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!