Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Sobre ser feminista, não ser feminista e ser antifeminista



"Moça, você diz que não sou obrigada a ser feminista, mas já vi feminista desejando estupro pra mulher que não é feminista"

Hoje eu vi umas moças antifeministas comentando isso, por mais que eu não queira acreditar (ou que seja doloroso de acreditar), é possível que existam feministas que achem que tem mulher que ''só sendo estuprada vai conseguir entender o feminismo''.
Gente! Isso é muito PROBLEMÁTICO! Isso é reprodução de misoginia. Isso é absurdo!

Nenhuma mulher deve ser obrigada/pressionada a ser feminista, assim como nenhuma feminista deve ser obrigada a lidar pacientemente/amorosamente com mulher anti-feminista, a ter sororidade, a ter empatia. Sabem por quê, moças? Porque mulher antifeminista é um desserviço ao movimento, porque mulher antifeminista faz campanha contra o feminismo, deslegitima a causa, ajuda a sustentar o patriarcado, mas, contudo, todavia, entretanto, porém NENHUMA mulher merece ouvir que "devia ser estuprada", ainda mais para poder começar a militar. NENHUMA mulher deve precisar sofrer agressão para poder abrir os olhos. Se fosse assim, a gente não estaria militando para conscientizar e empoderar mulheres, mas ajudando os machos a abusar delas, para elas serem feministas! Que horror!

Migas, não é com esse tipo de discurso que a gente vai conseguir conscientizar essas mulheres antifeministas. Aliás, muitas vezes a gente pode morrer de explicar e ser didática, elas não vão deixar de ser antifeministas porque a misoginia e o machismo internalizados, aliados a alienação e a falta de amor próprio/e força de vontade, vão impedir que elas enxerguem o que devia ser óbvio: ser antifeminista é cuspir no espelho. É autossabotagem.

"Moça, não sou obrigada a ser feminista"

Não, miga, não é obrigada e é super problemático querer te impor isso. Se assumir feminista ou militar por direitos, empoderamento, liberdade, justiça, vivência social equânime sem hierarquia de gênero... deve ser uma escolha consciente, até porque é uma tarefa árdua (porém libertadora).

Feministas não são melhores nem piores que mulheres que não são feministas ou que não se assumem feministas (mesmo partilhando dos mesmos posicionamentos), até porque muitas não o são por falta de informação sobre o termo/movimento, apoio, conscientização... Já basta o Patriarcado nos dividir com classificações baratas, não precisamos fazer isso com quem está dentro x fora do movimento.

"Ah, mas por que tem tanta feminista por aí apontando o dedo na cara das garota que se assume reaça?"

Em primeiro lugar, não ser feminista é diferente de ser ANTIFEMINISTA.
Uma coisa é eu respeitar as mulheres que não se dizem feministas, mas que não estão fazendo campanha contra feministas na internet, por exemplo, outra coisa bem diferente é eu aceitar silenciamento, perseguição e agressão de mulher que se diz antifeminista, ou seja, mulher ingrata, alienada que cospe para o espelho, que dá tiro no próprio pé, ao militar contra um movimento que visa libertar a sociedade de padrões/hierarquias patriarcais de gênero.
Não é obrigada a ser feminista.
Aliás, obrigar mulher a ser feminista não é nem pauta do movimento. 
Mas e a ser trouxa (antifeminista), é obrigada ou tão te pagando quanto, miga?

Cuidado ao cuspir no espelho, reproduzir misoginia não te isenta de sofrer com ela. Aliás, só te deixa mais vulnerável de enfrentá-la.
Em segundo, ainda o Aécio.

0 comentários:

Postar um comentário

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!