Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Sobre ser feminista...


Ser feminista e escolher não se depilar, não usar maquiagem, não querer casar, não ter filhos... tudo bem. Agora, ser feminista e escolher se depilar, usar maquiagem, casar (seja com homem, com mulher, com pessoa não-binária), ter filhos... tudo bem também. 

Você é feminista para tentar conscientizar as mulheres das possibilidades de escolhas a respeito da vida delas ou você é feminista para impor suas escolhas na vida alheia? É óbvio que padrão de feminilidade deve ser problematizado, desconstruído, mas isso requer recorte social, de gênero, racial, estético etc. 

Para mulheres magras/cis/brancas (ou seja, mulheres padrão de beleza) é bem mais fácil fugir da performatividade de gênero feminino que para as mulheres gordas/trans/negras... que no geral já são preteridas socialmente. 
Para mulheres de classe social privilegiada é bem mais fácil condenar a moça pobre por performar feminilidade, afinal não é ela que corre o risco de ficar sem emprego caso a aparência dela seja alvo de preconceito e recusa na hora de arrumar um. 
Para mulheres padrão, acostumadas a receberem elogios, a se sentirem bem consigo mesmas, é bem mais fácil apontar o dedo e problematizar sem recorte o fato de mulheres preteridas, de mulheres que vivem sob a sombra da solidão, desejarem relacionamentos, família, usarem maquiagem, se depilarem etc. 

Sobre maternidade, ela é socialmente imposta, é compulsória, é romantizada, é construída de forma a oprimir as mulheres, a problematização disso é necessária e válida, o que não quer dizer que toda mulher que quer ser mãe, o quer por imposição. Tirem essa limitação das escolhas das mulheres da vida e militância de vocês. Da mesma forma que uma mulher pode não querer filhos porque isso não faz parte dos planos de vida dela, dos desejos dela, uma mulher pode querer tê-los por ESCOLHA. 

Quanto a se relacionar com homem, heteronormatividade NÃO transforma ninguém em hétero, porque ser hétero também tem haver com sexualidade, não com escolha/programação, assim como ser bi/pan/ace/homossesxual... Isso de TODO "pênis in vagina" (PIV) ser estupro é absurdo, não deslegitimem a sexualidade das mulheres héteros (e das mulheres que se relacionam com homens/cis). Problematização não deve servir pra limitar, mas para abrir possibilidades na vida da mulher de acordo com as vivências dela. 

Lizandra Souza.

0 comentários:

Postar um comentário

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!