Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Todos podemos falar sobre os direitos das minorias políticas: os limites entre protagonismo e lugar de fala


"Sou homem (cis), posso falar de machismo? Posso defender as mulheres?''  
"Sou branca, posso falar de racismo? Defender as pessoas negras?"
"Sou hétero-cis, posso falar de LGBTfóbia? Defender LGBTs?'' 

Toda vez que tiver dúvida, por receio de estar ''silenciando'' alguém, se você deve ou não falar sobre algo, lembre-se daquela ''perguntinha chave'' da sociolinguística: quem diz o que, a quem, como, quando, onde e com que intensão comunicativa. Silenciamento, "roubo de protagonismo", "lugar de fala", são termos relativos que se constituem dentro da situação de comunicação. Não devem ser usados a torto e a direito como escudo de divergências ou como fala absoluta, única e universal. 

Não defendo a ideia de que somente o oprimido de uma opressão pode falar sobre ela. Não apoio a ideia do "sem vivência, sem opinião" de forma generalizada. É problemático isso ser assumido de forma normativa. Primeiro, nem toda pessoa oprimida tem consciência de problematização da própria opressão, mulheres que reproduzem machismo, negros que reproduzem racismo, LGBTs que reproduzem LGBTfóbia são alguns exemplos desse fato. Segundo, existem pessoas que, por serem privilegiadas em relações sociais de poder, podem ser consideradas opressoras em potencial, em potencial porque apesar de deterem o poder nas relações e, por isso, serem beneficiadas por elas, supostamente buscam desconstrução, como os homens que se dizem "pró-feministas", os brancos que se aliam ao movimento negro, os héteros-cis que alegam apoiar a causa LGBT, entre outros. Essas pessoas não só podem, como devem se posicionar, pois não existe neutralidade: ou você se posiciona ou você sustenta o status quo. 

O que tem que ser pautado é o ''como, quando, onde, para quem e por qual razão'' essas pessoas-privilegiadas falam. Como: de que forma elas se posicionam contra algo que não sofrem. Quando: o momento em que falam. Onde: o lugar ou situação de comunicação. Para quem: quem são os seus interlocutores, para quem elas falam, para alguém que conhece a causa ou para quem tem desconhecimento? Por qual razão: falam para desconstruir alguém ou para impor opinião? Exemplo, machos que dizem apoiar o feminismo, devem falar de feminismo, ou melhor, de machismo, de privilégios masculinos, de atitudes misóginas para com as mulheres NÃO para as feministas, mas para os familiares, sobretudo os masculinos, para os amigos, para os colegas de trabalho, de faculdade etc. Devem falar em espaços que eles já lideram culturalmente com o objetivo de tornar esses espaços empáticos ao feminismo. NÃO devem ficar chorando na internet carteirinha de feminista, nem biscoito. Muito menos desejarem pautar o movimento e decidirem que mulher é "feminista de verdade", aprovada por eles, e que mulher é "feminista de mentira", por não apoiar as babaquices deles.

Lugar de fala não é fala absoluta/única. É com o diálogo, não monólogo, que a gente pode ajudar a conscientizar as pessoas e cada vez mais ir contribuindo para que haja a transformação social. Lugar de fala é sobre visibilidade política a quem estruturalmente sofre com determinada opressão em um espaço determinado pela interação entre os sujeitos do discurso. A visibilidade deve ser dada aos protagonistas da luta, o que não significa que secundariamente os aliados não possam participar e dialogar. 

Por que a visibilidade é política e o espaço é determinado? Porque não basta ter vivência, o discurso também tem que estar condizente com a estrutura social. Nem sempre um indivíduo oprimido terá lugar de fala, apesar de ter vivência, sabem porquê? Porque existem sujeitos alienados pelo sistema, sujeitos dominados pela ideologia dominante, que só enxergam o próprio umbigo. Reformulando um exemplo dado anteriormente, existem mulheres contra o feminismo, negros contra o movimento negro, gays/cis tidos como ''não afeminados" contra os gays afeminados (vice-verso) etc. A voz dessas pessoas não tem legitimidade política nos movimentos de contra-hegemonias já que estas pessoas são cúmplices do opressor. Dessa forma, não basta ter vivência, até porque esta não é universal. Tem que ter bom senso também.

Lizandra Souza.

0 comentários:

Postar um comentário

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!