Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Um pouco sobre Depressão e Ansiedade


Cada vez que o despertador toca e eu coloco na soneca não é porque eu quero dormir mais. Não é "só mais 5 minutinhos". É porque ainda estou tomando coragem para levantar da cama.
O frio não é o problema. Nunca foi. Nem o calor. Nem o sono. Sempre fui muito fiel aos meus compromissos. Mas tem dia que não consigo.
Me dou ordens e procuro me obedecer. Ponha um pé para fora da cama. Muito bem. Agora o outro. Muito bem. Agora sente-se. Muito bem. Agora levante-se. Muito bem. Escove os dentes. Beba algo. Coma algo. Tome um banho. Penteie o cabelo. Vista-se. Pegue a bolsa. Abra a porta. Coragem. Você consegue! Agora ande para fora e tranque a porta. Não olhe para trás.
Cada pequena coisa eu devo me ordenar e obedecer. É mais um daqueles dias onde a depressão e a ansiedade tomam conta de mim. Sim, eu tenho os dois. E elas normalmente aparecem juntas.
Evito mexer com facas e objetos cortantes não porque eu vá me machucar, mas justamente por medo de hoje não ter habilidade o suficiente para não sofrer nenhum acidente. Tenho medo de ser inútil, incapaz, mas me sinto exatamente assim: inútil e incapaz.
A depressão me conta mentiras dizendo que eu não sirvo pra nada. A ansiedade me amedronta supondo "e se seu ônibus bater hoje e você morrer? E se houver um ataque terrorista? E se? E se? E se?"
Não é fácil manter a cabeça no lugar.
A depressão não quer que eu fale com ninguém e eu não posso obedecê-la. É justamente porque quando eu falo com as pessoas, ignoro a existência dela e ela enfraquece e vai dormir. Não morre nunca. Pode entrar num coma. Mas ela sempre está ali, pronta para vir me importunar. Faça isso. Faça aquilo. Coma. Beba. Vá ao banheiro. As ordens não param assim eu não paro. Com calma. Um passo de cada vez.
Tarefas simples aos olhos comuns são verdadeiros desafios para nós. O pior deles é esconder. Talvez por vergonha. Talvez por medo. Talvez porque não aguentamos mais as velhas receitas:
"Toma um rivotril"
"Vá à Igreja é falta de Deus na sua vida"
"Basta você ficar feliz. Assista uma comédia"
"Pare de pensar nisso assim ela vai embora"
"Você não está se esforçando"
"Isso é frescura"
"Isso é falta de trabalho"
"Isso é falta de porrada".
Quando tentamos falar com alguém, as pessoas simplesmente não compreendem que não é pra responder nada ou nos dar soluções que ao pensamento dela são boas ou viáveis. Não queremos suas respostas. Queremos seus ouvidos.
Até hoje só uma pessoa me disse palavras que encaixaram certas na minha vida e que eu as repito toda vez que tenhouma crise:
"Sei que não adianta falar nada. Por isso te desejo força e resiliência nesta hora. Você consegue!"
Era tudo o que eu precisva.
Enquanto a depressão for romantizada e vista como "frescura" ou "elegante" (oi???), a negligência perpetuará. E nós continuaremos a levar nossos sorrisos falsos para não ter que dizer a ninguém o que realmente está acontecendo e assim evitar os mesmos velhos conselhos:
"Toma um rivotril"
"Vá à Igreja é falta de Deus na sua vida"
"Basta você ficar feliz. Assista uma comédia"
"Pare de pensar nisso assim ela vai embora"
"Você não está se esforçando"
"Isso é frescura"
"Isso é falta de trabalho"
"Isso é falta de porrada".

- A autora do relato preferiu anonimato.

5 comentários:

  1. Desde pequena eu sou tímida,calada,na minha,não gosto de conversar muito com as pessoas.Aliado a isso,tenho fobia social,que é o grau mais elevado da timidez,também sou introvertida,quando fico muitas horas no meio de outras pessoas,tenho que fica bastante tempo sem ir à lugares com aglomerados de pessoas. É como se a minha energia se esgotasse,mas isso tbm acontece com pessoas do meu convívio,parece que quando chegam perto de mim,todas as minhas forças e energia que já eram poucas,acabam rapidamente.É difícil ter algum problema psicológico,é difícil não ser social,é difícil escuta quase que diariamente que sou estranha,esquisita,antissocial,minha própria família me crítica, já escutei do meu irmão que ele tem vergonha de mim,pois sou "estranha demais" para ele devido ao fato de eu não ser como as outras garotas da minha idade,que gostam de sair,usam alguns tipos de roupas,se arrumam.Muitos me criticam,acham que preciso arrumar um namorado pra mudar o meu jeito de ser,que preciso ir às festas,sair mais de casa,enfim ser uma pessoa considerada normal pela sociedade,afinal tudo o que quebra as regras tem algum tipo de distúrbio psicológico,banalizando esse fato.

    ResponderExcluir
  2. Espero que tenha força pra continuar lutando e se quiser conversar com alguém à respeito, estarei aqui!:)

    ResponderExcluir
  3. Não se preocupem, meninas. Depressão e ansiedade são sintomas tipicos das feministas. Porque vcs estão e estarão sempre de mal com a vida, com os homens, com a sociedade e com vcs mesmas. Experimentem buscar uma convivência mais harmônica e saudável com as pessoas e perceberão que a felicidade está ão alcance se suas mãos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh, é mesmo? Eu era de direitcha, pró-vidcha, queria biscoitinho de macho, recatchada e do lar e tive depressão (ou melhor, ainda TENHO). Ou seja, eu não era feminista e tive essa merda. Ah, claro, provavelmente vão questionar se não era o que chamam de híbrida e tal. Feministas tão de mal com a vida ou a vida que tão de mal com elas? Há diferença. De mal com os homens? De forma nenhuma, agora não nos culpe se existe imensa parcela de machos que falam merda (tipo você). De mal com a sociedade? Sim, nós estamos de mal com a sociedade que acha que nosso dever é cuidar de bebês e servir maridinho... Nossa, que ousadia ficar de mal por isso! De mal conosco mesmas? Pode ser, depois que comentários tipo o seu que nos culpa pela agressão que sofremos pelos cantos, realmente terminamos o dia ponderando se a culpa daquela apalpada no metrô e de não termos respondido o "ô gostosa, vontade de chupar sua buça" na rua foi errado. E o que seria a convivência harmônica? Submissão? E, idiotas que nem você vão nos chamar de malucas independente de como vivamos. Essa é a verdade, com ou sem depressão, sempre somos neuróticas (coisa de mulher, né?). E experimente você também uma convivência mais saudável com as pessoas, tipo parar de dar pitaco na depressão alheia. Felicidade não existe. Existem momentos felizes, plenitude é ilusão. E TINHA QUE SER MACHO CIS PRA DIZER ESSE TIPO DE MERDA, típico de quem tem tudo na mão pra dizer "felicidade tá no alcance das suas mãos", puta que pariu!

      Excluir

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!