Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Facebook br e o silenciamento das ativistas feministas...


Ser mulher, feminista, LGBT+ e/ou pessoa negra e militar virtualmente no Facebook vem se demostrando nos últimos anos um ato de pura resistência. Cada vez mais ativistas das mais variadas causas recebem ataques em massa de grupos reacionários e têm suas contas e páginas de militância bloqueadas pela equipe FB br por supostamente ferir os padrões da rede. E é aí que fica a dúvida, quais padrões são esses? 

Segundo as políticas do mecanismo de denúncia do próprio Facebook, nós podemos denunciar perfis, páginas e publicações se neles tiverem a reprodução de discurso de ódio a um sexo, etnia, crença,  orientação sexual... apologia/incitação ao crime, conteúdo sexualmente explícito/nudez/pornografia, posts que descrevam a compra ou venda de drogas, de armas ou produtos adultos... conteúdo que seja ameaçador, violento ou suicida entre outros. Na teoria isso é lindo, afinal são padrões que prezam pelos direitos humanos, pela integridade e segurança das pessoas conectadas a rede. Mas na prática as coisas funcionam bem diferentes. Ao que parece, para a equipe que recebe e analisa as denúncias ocorridas na comunidade, o que importa não é o conteúdo do que foi denunciado, mas a quantidade de denúncias que ele recebeu, o que deixa nós, ativistas, vulneráveis a ataques em massa, de grupos reacionários, os quais, se pensarmos bem, ainda fazem parte das hegemonias, logo têm maior poder de articulação.

Diante disso, a forma como a equipe que trata das denúncias enviadas ao FB br vem servindo para silenciar ativistas a medida que exclui o que postamos e nos bloqueia sendo que o que postamos não fere os padrões da comunidade, mas sim a sustentação das hegemonias. Um exemplo disso são as páginas feministas desativas pelo FB por receberem ataques em massa de machistas e misóginos.

A Diários de uma feminista já recebeu muitos ataques de misóginos, machistas, LGBTfóbicos, racistas... justamente porque incomoda. E incomoda porque é uma página de feminismo interseccional, dedicada a falar sobre questões de gênero, etnia, classe, sexualidade... isto é, assuntos que em uma sociedade machista, misógina, racista, elitista, LGBTfóbica... são colocados a margem justamente para se manter o status quo social que privilegia maiorias políticas em detrimento da opressão de minorias políticas (vejamos políticas, não sociais!) como mulheres, pessoas negras, LGBT+, pessoas com deficiência. 

Comecei a usar o FB em 2012 e de lá para cá já tive um pouco mais de 10 contas. Isso não porque feri os padrões do FB, mas porque tive contas bloqueadas por sofrer ataques de reacionários e/ou haters. Atualmente tenho 4 contas, isso evita de eu ser totalmente silenciada, pois quando sou bloqueada em uma, recorro a outra e assim não deixo de administrar a minha página. Aliás, a Diários de uma feminista tem até página reserva, criada devido aos ataques que a original já sofreu. 


De todas as vezes que tive posts contra o machismo, racismo, LGBTfobia, capacitismo, gordofobia... removidos por denúncias aleatórias e consequentemente tive a conta punida com bloqueio, o que me aconteceu na semana passada foi o que mais me indignou. Eu sofri racismo por inbox, uma moça branca, que me leu como negra, veio no meu inbox me dizer que ''negro só faz negrisse'', que ''negro é especialista em coitadismo'', dando, além de tudo, a entender que queria que a escravidão não tivesse acabado pra ela ter um escravo. E tudo isso porque eu a bani do grupo da página, por ela ter silenciado mulheres negras e sido racista lá. No post que publiquei no FB, eu ocultei o sobrenome da moça e a foto estava em miniatura, e mesmo assim o post foi apagado por violar os padrões. Não pude nem desabafar e provar o que sofri na própria rede sem ser silenciada na mesma! Agora eu me pergunto das vezes que denunciei páginas racistas, páginas neonazis, páginas que pregam purismo racial/branco e a resposta foi um foda-se disfarçado em algo como "agradecemos seu tempo em denunciar algo que acredita ferir nossos padrões, mas analisamos e vimos que o conteúdo está de acordo com as políticas da comunidade blablabla''.

Segundo a moça, é ofensa dizer que não existe racismo reverso.

Não acredita que foi racista e que por isso foi banida, mas fez comentário racista logo em seguida.

Reparem como ela veio chorar racismo reverso e acabou sendo racista.

Apesar de ter tido o post removido, eu recebi muito apoio e mesmo algumas moças que são advogadas se ofereceram para me orientar no caso, me auxiliaram com informações caso eu decidisse fazer boletim de ocorrência ou denunciá-la ao Ministério Público.  O que não descartei caso ela volte a me incomodar.

Na última terça-feira (22/03/2016), justamente no dia que meu perfil principal saía de um bloqueio de 7 dias por ter exposto parcialmente o racismo que sofri inbox nessa rede social,  num post-desabafo, eu fiquei sabendo que a maior página feminista do Brasil, a Feminismo sem demagogia, foi mais uma vez desativada pelo FB. E isso por quê? Porque mais uma vez ela sofreu ataques em massa de grupos misóginos e machistas. 


Verinha é uma das administradoras da FSD.

Fico me perguntando como uma página que promove pautas a respeito do empoderamento feminino, dos direitos das mulheres (entre outras minorias políticas) pode ferir aqueles padrões que mencionei anteriormente. Fica óbvio que a página foi desativada (temporariamente?) porque incomodou reacionários e assim tentaram silenciar as mulheres feministas que trabalham nela. É revoltante saber que essas mulheres foram silenciadas injustamente por lutarem contra sistemas de dominação-exploração (a página é de vertente marxista, logo faz recorte de gênero, classe, raça...). Essa não é a primeira vez que isso acontece com a FSD, outro ataque desses que resultou no bloqueio temporário da página ocorreu em novembro de 2015. Espero que seja um bloqueio temporário, como o último, para que a página volte a ser reativada. Hoje conversei pelo FB com a Verinha, e segundo ela até agora nada de o FB reativar a página ou dar alguma notificação sobre a situação da mesma.  

Recentemente, fiz alguns posts comentando sobre esse mecanismo desonesto do FB, que remove posts e bloqueia usuários não pelo conteúdo do que é publicado, mas pela quantidade de denúncias. E pelo visto isso (silenciamento de ativistas) ocorre com mais frequência do que  a gente imagina. Gostaria de inserir, abaixo, dois depoimentos a respeito desse assunto. 




Por esses dois comentários, podemos ter uma ideia quase "desenhada" de como funciona o mecanismo de denuncia do FB mencionado anteriormente. 

Para finalizar, gostaria de mencionar/indicar um artigo que li na Carta Capital, publicado em fevereiro deste ano, intitulado Facebook, afasta de nós esse cálice, que aborda justamente o assunto do post a respeito das pessoas ativistas que vêm sendo bloqueadas por conta de denúncias aleatórias. E é, com licença intertextual, com o título desse texto que finalizo meu post:

Facebook, afasta de nós esse cálice!

Lizandra Souza.

1 comentários:

  1. Acho engraçado esse facebook...
    Paginas de cunho misógino, que faz apologia a violência contra mulheres, que ofendem mães solteiras, que defendem estupro e pedofilia,essas são incrivelmente imunes a denúncias.
    A página misógina e escancaradamente hipócrita:"Não mereço mulher que usa roupa de pra", só pra desvendar todo esse porque, quem administra são justamente os que trabalham no suporte do facebook Brasil.
    Eis a razão de fazermos tantas denúncias e eles reportarem.
    Até pq eles são cínicos de postarem isso na página, justamente pra todos que são contra, verem que é dar tiro no escuro.

    ResponderExcluir

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!