Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

A necessidade faz uma prostituta


Vi hoje o seguinte relato no meu feed de notícias do facebook. A autora, uma menina ainda menor de idade, fez alguns posts desabafando a situação difícil que está passando com sua mãe, entre esses posts, está o relato que reproduzo* a seguir. O relato dela, apesar de individual, ecoa muitas vozes, vozes das meninas e mulheres pobres, negras, marginalizadas, periféricas, cis ou trans, que para poderem sobreviver, decidem recorrer a prostituição, sistema de exploração da mulher que só é rentável - com poucas exceções - para os cafetões e traficantes de mulheres. 


''Sabe aquela frase "a necessidade faz um ladrão", ela é real pra caralho e a gente só tem noção dessa realidade quando passamos por ela. Eu e minha mãe estávamos comendo arroz e feijão puro, quando acabou o arroz e feijão dividimos mangas que eu roubei do quintal do vizinho, minha mãe se mostrava bem perto de mim mas eu escutava ela chorar quando entrava no quarto. 

Eu tenho amigas na prostituição e elas me convidaram para conhecer um bordel e ver como funcionava, se eu quisesse, ficaria lá. E deixa eu contar, a minha politização foi pra puta que pariu, feminismo não me impediu de cogitar a possibilidade de me prostituir, mesmo eu sabendo de toda problemática da prostituição, eu estava ficando com fome, quase ficando sem luz, sem água e as cobranças só chegando. Pois bem, eu fui, conheci o local, conversei com a cafetina - sim, uma mulher - quando ela me viu, me bajulou de todas as formas, me prometeu roupas novas, maquiagens novas e muito dinheiro, disse pra mim que meninas novas e "morenas" atraem homens de todos os tipos e eles pagam o valor que eu quisesse - claro, a preta é boa pra foda, né? -. Ela dizia que "eu faria muito sucesso", "teria a vida que eu sempre quis", eu falei sobre minha idade e ela disse que isso era o de menos, "temos até meninas de 14 e 15" e isso foi o que me impediu de topar aquilo tudo, eu nunca imaginei que meus traumas com pedofilia fariam algo positivo por mim, e naquele momento eu lembrei que a prostituição é grande aliada da pedofilia, meu estômago embrulhou, e eu percebi a merda que eu ia fazer. 

Até hoje ela me manda mensagem me perguntando se eu vou querer, falando que eu sou muito bonita pra me sujeitar a um salário mínimo. Uma das coisas que eu aprendi com minhas amigas prostitutas e indo conhecer aquele lugar: 

1. Eles te dão drogas, te viciam para te deixar totalmente dependentes para depois conseguir manipular sua vida e te dar menos dinheiro do que o combinado.

2. Quando mais bonita e jovem você for, mais eles investem em você. 

3. De começo, eles te contam maravilhas sobre ser garota de programa, coisa que você só descobre que não é quando já está dentro disso.

4. Se uma menina tenta sair depois, eles fazem pressão psicológica dizendo que vai contar pra toda família e amigos dela. 

5. Eles são manipuladores, usam a sua situação para te incentivar a entrar. E por pouco, muito pouco, eu não me tornei estatística das minas pretas e pobres que entraram nessa vida por causa da situação financeira.''

- Em anônimo para proteger a identidade da autora.

* A autora autorizou a publicação.

Lizandra Souza.

0 comentários:

Postar um comentário

Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente!